<
Sanofi
Sanofi
Dicas de saúde

9 respostas sobre rinite alérgica

Você sabe o que desencadeia a rinite alérgica? E os sintomas? Tire suas dúvidas sobre o problema

Conteúdo incluído em: 10 de março de 2021

compartilhar

Quem sofre com rinite alérgica sabe a vontade que dá de se livrar, de uma vez por todas, de todos os sintomas desagradáveis. A boa notícia é que dá, sim, para minimizar a manifestação dessa alergia respiratória.

Para isso, que tal aprender mais sobre a doença e quais são os seus gatilhos? Veja abaixo algumas respostas sobre a alergia que atinge de 10% a 30% da população mundial1 e entenda como conviver com o problema.

1. O que é rinite alérgica

É uma inflamação da mucosa que reveste o nariz e que acontece em decorrência da exposição a alérgenos, portanto é considerada uma alergia respiratória. Os principais sintomas do problema são a congestão nasal, coriza, coceira nasal e espirros. Quem sofre com rinite alérgica deve consultar um médico para entender a melhor forma de tratamento, além de receber orientação sobre o uso de antialérgico, medicamentos que minimizam os sintomas desagradáveis da condição2.

2. Como saber se o que eu tenho é rinite alérgica?

Alguns dos sinais da rinite alérgica são coriza, espirros, tosse, nariz entupido, coceira no nariz e nos olhos.2,3.

3. O que desencadeia a rinite alérgica

Há vários fatores responsáveis por desencadear uma crise alérgica, sendo que os principais são poeira, ácaros, pólen, animais de estimação, poluição e até odores fortes, como perfumes. Depois que a pessoa é exposta a algum alérgeno, o nariz reage e os sintomas desagradáveis começam a surgir. Por isso, o jeito é evitar ter contato com o que pode desencadear a alergia2.

4. É verdade que a poeira ataca a alergia?

Sem dúvida. E você sabe o porquê? Além de a poeira carregar uma quantidade grande de substâncias alergênicas, entre elas restos de pelos de animais domésticos, escamas de pele humana, fungos, bactérias e mofos, ela também é lar de inúmeros ácaros. Estes, por sua vez, carregam mais de 20 componentes – entre eles, as próprias fezes – que já foram listados como altamente alergênicos, desencadeando crises em quem tem rinite alérgica.²

Por isso, quem tem alergia respiratória precisa tomar um cuidado redobrado com a limpeza correta da casa e, caso optem por manter cobertores, carpetes, almofadas, travesseiros e outros itens que acumulam poeira, é preciso higienizá-los sempre.2,4,5

5. A rinite alérgica piora no frio?

Sim. O frio provoca uma reação exacerbada em células específicas no nariz, provocando os sintomas. Outros fatores associados ao tempo gelado também contribuem, já que no frio a tendência é que chova menos, aumentando a poluição do ar – péssima para quem tem rinite. A baixa umidade do ar também pode ser um fator desencadeante, por isso é aconselhado usar umidificadores de ar quando o tempo está extremamente seco6,7.

No entanto, o contrário pode ser perigoso: quando a umidade relativa do ar está acima de 50% há risco maior de alergia, pois os ácaros se proliferam mais em locais úmidos e quentes8.

6. Como posso prevenir uma crise?

O ideal é se afastar dos gatilhos da alergia quando for possível. Quem apresenta sintomas quando tem contato com poeira, por exemplo, deve evitar permanecer em locais em que há grande quantidade de pó. Se são animais de estimação que provocam os sintomas da alergia, é importante manter o ambiente constantemente higienizado. Conservar a casa limpa e os lençóis sempre higienizados também colabora para evitar as crises, já que a poeira e os ácaros são grandes responsáveis por desencadear a rinite alérgica2.

7. Rinite alérgica e asma são a mesma coisa?

Não, mas elas podem se manifestar em paralelo. Hoje, sabe-se que 80% das pessoas que têm asma também apresentam rinite alérgica, sendo esta um fator de risco para o desenvolvimento de asma. Para se ter uma ideia, 40% das pessoas que têm rinite alérgica também sofrem com asma8.

A asma é uma doença que tem como principal característica a falta de ar, sensação de aperto no peito e chiado, frequentemente acompanhado de tosse. Já a rinite alérgica se manifesta por meio de espirros, coceira no nariz, coriza e congestão nasal. No entanto, ambas são doenças crônicas desencadeadas pela exposição a alérgenos inaláveis e são intensificadas por poluentes ambientais8.

8. Como é feito o tratamento?

Além da prevenção, que pode ser mantida com a higienização ambiental, é fundamental procurar um médico para iniciar o tratamento da rinite alérgica, isso porque o método pode variar de acordo com o sintoma mais incômodo, a intensidade de sua rinite, principais fatores causadores e tempo de alívio8.

Os medicamentos antialérgicos como Allegra, que têm diferentes apresentações para alívio das manifestações alérgicas como rinite alérgica e urticária, e outros remédios podem ser utilizados com orientação médica. Há também a imunoterapia, feito com vacinas, único tratamento capaz de controlar a rinite alérgica a longo prazo8.

9. Existe vacina para tratar a rinite alérgica?

A imunoterapia com alérgenos pode ser indicada em alguns casos para minimizar a sensibilidade das pessoas que têm alergias com determinadas substâncias.

A indicação da vacina deve ser feita pelo médico, uma vez que ela só é aplicada se o paciente se “encaixar” em diferentes critérios e porque seu funcionamento varia de acordo com o organismo, isto é, nem todas as pessoas irão se beneficiar com a vacina.

O tratamento, porém, pode ser longo (a manutenção leva de três a cinco anos, em alguns casos) e é feito por meio da aplicação gradual do alérgeno para o qual a pessoa tem sensibilidade, reduzindo, então, a resposta imune do organismo e obtendo a melhora dos sintomas. Ou seja, o corpo passa a entender que aquele alergênico não é perigoso, portanto não precisa provocar uma reação exacerbada para se livrar dele. No entanto, o efeito da imunoterapia pode ser mais duradouro para uns do que para outros e, em alguns casos, é repetir o tratamento9,10.

ALLEGRA® (cloridrato de fexofenadina). Indicações: é um anti-histamínico destinado ao tratamento das manifestações alérgicas, tais como sintomas de rinite alérgica (incluindo espirros, obstrução nasal, prurido, coriza, conjuntivite alérgica) e urticária (erupção avermelhada e pruriginosa na pele). MS 1.8326.0359. O USO DO MEDICAMENTO PODE TRAZER ALGUNS RISCOS. Leia atentamente a bula. SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.

Referências:
1 - World Allergy Organization. White Book on Allergy: update 2013. Disponível em: https://www.worldallergy.org/UserFiles/file/WhiteBook2-2013-v8.pdf. Acesso em 02 de junho de 2020.
2 - Órgão Oficial da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. VI Consenso Brasileiro sobre Rinites. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology. Disponível em: https://www.aborlccf.org.br/imageBank/consenso-Rinite-4-01-11-2017.pdf. Acesso em 02 de junho de 2020.
3 - Sociedade Brasileira de Pediatria. Cuidados com a Saúde - Rinite Alérgica. Disponível em: https://www.sbp.com.br/especiais/pediatria-para-familias/noticias/nid/rinite-alergica/. Acesso em 02 de junho de 2020.
4 - Fassio, F., Guagnini, F. . House dust mite-related respiratory allergies and probiotics: a narrative review. Clinical and Molecular Allergy. 2018, 16: 15, Jun-19. doi: 10.1186/s12948018-0092-9.
5 - National Health Services (NHS). Causes - Allergic rhinitis. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/allergic-rhinitis/causes/. Acesso em 02 de junho de 2020.
6 - Cruz A.A, Togias A. Upper airways reactions to cold air. Current allergy and asthma reports. 2008 Apr;8(2):111-7. doi: 10.1007/s11882-008-0020-z.
7 - Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. Inversão térmica prejudica a saúde e aumenta problemas respiratórios. Disponível em: https://www.aborlccf.org.br/secao_detalhes.asp?s=51&id=451. Acesso em 02 de junho de 2020.
8 - A doença do século XXI. Alergia - Perguntas e Respostas. Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia - Regional do Rio de Janeiro. Disonível em: http://www.asbai.org.br/imagebank/ALERGIA-PERGUNTAS-E-RESPOSTAS.pdf. Acesso em 02 de junho de 2020.
9 - American Academy of Allergy, Asthma & Immunology. Immunotherpay can provide lasting relief. Disponível em: https://www.aaaai.org/conditions-and-treatments/library/allergylibrary/immunotherapy-can-provide-lasting-relief. Acesso em 02 de junho de 2020.
10 - ASBAI. Artigos - Material Educativo. Imunoterapia – Perguntas e Respostas. Disponível em: http://asbai.org.br/imunoterapia-perguntas-e-respostas/. Acesso em 02 de junho de 2020.

Leia mais sobre Alergia